quarta-feira, 4 de junho de 2008

Consumo, logo existo!


A oneomania (também se escreve oniomania) significa, ao pé da letra, "mania de comprar", e a palavra também é utilizada para identificar os compradores compulsivos.
É considerada um vício contemporâneo, fruto da sociedade capitalista em que vivemos, onde as pessoas são vistas, avaliadas, e medidas por aquilo que possuem, ostentam ou podem adquirir.
Já dizia Descartes: “Consumo, logo existo!”...
O fato é que o comprador compulsivo é aquele que se satisfaz não com o objeto da compra, mas com o ato de comprar. Por isso, ele pode, literalmente, comprar qualquer coisa que lhe surja na frente. O ápice de sua satisfação se dá no momento da compra. Depois, quando chega em casa, os objetos podem ser abandonados porque não têm mais utilidade. Só a próxima compra o satisfará. Aliás, um modo de identificação da doença está em verificar o excesso da compra de produtos, que jamais são usados.
Mas cuidado, pois o comprador não percebe isso. Ele pode simplesmente passar um cheque, representando o dinheiro que, sintomaticamente, ele nem possui concretamente, pois está no banco; pode também utilizar o cheque especial, ou seja, o crédito que está lá à sua disposição; além de usar um cartão de crédito, um pedaço de plástico que dá acesso aos bens materiais existentes no mercado. Com tudo isso, o viciado em compras pode, quase que literalmente, adquirir tudo o que existe.
O comprador compulsivo adquire produtos sem parar e vai se endividando para pagar por coisas que ele não precisa. Muitas vezes já as tem em excesso, mas continua comprando. Ele gasta todo seu salário, estoura o limite do cartão de crédito e do cheque especial e até faz empréstimos apenas para continuar adquirindo o que não lhe faz falta.
Confesso que já sofri desta doença, mas estou curada. Tive que fazer um esforço tremendo para conseguir deixar talão de cheques e cartão de crédito em casa para não utiliza-los. Triste, né?
Acredito que as mulheres são as mais afetadas por este vício horrível, portanto, resolvi escrever sobre o assunto aqui para que a gente preste atenção àquelas famosas idas ao shopping quando não temos “nada para fazer”...
Indo um pouco além, descobri que existem grupos de auto-ajuda, tipo o “AA – Alcoólatras Anônimos” em várias cidades brasileiras para quem passa por este tipo de problema. E uma última sugestão, é o tratamento com psicoterapia.
Bjôooooo

2 comentários:

Anônimo disse...

Ai, Cá, jura que essa doença da qual eu sofro tem até nome??? rsrs
Menina, me identifiquei MUITO com tudo que vc disse aí no texto...
Mil beijos, boa semana!!!!
Carla

Daniela Cecílio disse...

Ups, tenho uma cura perfeita, nao ter dinheiro, nem cartoes de credito e a solucao...

saudades

Dani