terça-feira, 6 de janeiro de 2009

Guia prático da nova ortografia


Para quem ainda não sabe, o acordo da língua portuguesa que entrou em vigor neste ano, é meramente ortográfico, e restringe-se apenas à língua escrita, não afetando nenhum aspecto da língua falada. A implantação das regras deste acordo, que acontecem no Brasil a partir deste mês, é um passo importante em direção à criação de uma ortografia unificada para o português, a ser usada por todos os países que o tenham como língua oficial: Portugal, Brasil, Angola, São Tomé e Príncipe, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique e Timor Leste.

1. O alfabeto passa a ter 26 letras. Foram reintroduzidas as letras K, W e Y.

2. Não se usa mais o trema (¨), sinal colocado sobre a letra U para indicar que ela só deve ser pronunciada nos grupos GUE, GUI, QUE, QUI.
ATENÇÃO: O trema permanece nas palavras estrangeiras e suas derivadas.

REGRAS DE ACENTUAÇÃO

3. Não se usa mais o acento dos ditongos abertos ÉI e ÓI das palavras paroxítonas (acento tônico na penúltima sílaba). EX: idéia.
ATENÇÃO: Regra válida somente para palavras paroxítonas. As oxítonas terminadas em ÉIS, ÉU, ÉUS, ÓI, ÓIS continuam a ser acentuadas. EX: troféu.

4. Nas palavras paroxítonas não se usa mais acentos no I e U tônicos quando vierem depois de ditongos. EX: feiura.
ATENÇÃO: Se a palavra for oxítona e o I ou o U estiverem em posição final ou seguidos de S, o acento permanece. EX: tuiuiú.

5. Não se usa mais o acento das palavras terminadas em ÊEM e ÔO(S). EX: enjoo.

6. Não se usa mais o acento que diferenciava os pares PÁRA/PARA, PÉLA(S)/PELA(S), PÊLO(S)/PELO(S), PÓLO(S)/POLO(S) e PÊRA/PERA. EX: Ele foi ao polo Norte.
ATENÇÃO: Permanece o acento diferencial em PÔDE/PODE. PÔDE é a forma do passado do verbo poder (pretérito perfeito do indicativo) na 3ª pessoa do singular. PODE é a forma do presente do indicativo, na 3ª pessoa do singular. EX: Hoje ele não pôde sair, mas hoje ele pode.
- Permanece o acento diferencial em PÔR/POR. PÔR é verbo. POR é preposição. EX: Vou pôr o livro na estante que foi feita por mim.
- Permancem os acentos que diferenciam o singular do plural dos verbos TER e VIR, assim como de seus derivados (MANTER, DETER, RETER, CONTER, CONVIR, INTERVIR, ADVIR, etc.). EX: Ele tem dois carros. / Eles têm dois carros.
- É facultativo o uso de acento circunflexo para diferenciar as palavras FORMA/FÔRMA. Em alguns casos, o uso do acento deixa a frase mais clara. EX: Qual é a forma da fôrma do bolo?


7. Não se usa mais o acento agudo no U tônico das formas (tu) ARGUIS, (ele) ARGUI, (eles) ARGUEM, do presente do indicativo dos verbos ARGUIR e REDARGUIR.

8. Há uma variação na pronúncia dos verbos terminados em GUAR, QUAR e QUIR, como AGUAR, AVERIGUAR, APAZIGUAR, DESAGUAR, ENXAGUAR, OBLIQUAR, DELINQUIR, etc. Esses verbos admitem duas pronúncias em algumas formas do indicativo, do presente do subjuntivo e também do imperativo. Veja:
- Se forem pronunciadas com A ou I tônicos, essas palavras devem ser acentuadas. EX: Eu enxáguo;
- Se forem pronunciadas com U tônico, essas formas deixam de ser acentuadas. EX: Eu enxaguo;
ATENÇÃO: No Brasil, a pronúncia mais corrente é a primeira, aquela com A e I tônicos.

REGRAS PARA O USO DO HÍFEN

9. Com prefixos usa-se sempre o hífen diante da palavra iniciada por H. EX: anti-higiênico.
EXCEÇÃO: SUBUMANO (a palavra humano perde o H).

10. Não se usa o hífen quando o prefixo termina em vogal diferente da vogal com que se inicia o segundo elemento. EX: agroindustrial.
EXCEÇÃO: O prefixo CO aglutina-se em geral com o segundo elemento, mesmo quando este se inicia por O: COORDENAR.

11. Não se usa o hífen quando o prefixo termina em vogal e o segundo elemento começa por consoante diferente de R ou S. EX: antipedagógico.
ATENÇÃO: Com o prefixo VICE usa-se sempre o hífen. EX: vice-rei.

12. Não se usa o hífen quando o prefixo termina por vogal e o segundo elemento começa por R ou S. Nesse caso duplicam-se essas letras. EX: antissocial.

13. Quando o prefixo termina por vogal, usa-se o hífen se o segundo elemento começar pela mesma vogal. EX: micro-ondas.

14. Quando o prefixo termina por consoante, usa-se o hífen se o segundo elemento começar pela mesma consoante. EX: inter-racial.
ATENÇÃO: Nos demais casos não se usa o hífen. EX: hipermercado.
- Com o prefixo SUB usa-se o hífen também diante de palavra iniciada por R. EX: sub-região.
- Com os prefixos CIRCUM e PAN usa-se o hífen diante de palavra iniciada por M, N e VOGAL. EX: pan-americano.


15. Quando o prefixo termina por consoante, não se usa o hífen se o segundo elemento começar por vogal. EX: hiperativo.

16. Com os prefixos EX, SEM, ALÉM, AQUÉM, RECÉM, PÓS, PRÉ, PRÓ, usa-se sempre o hífen. EX: ex-aluno.

17. Deve-se usar o hífen com os sufixos de origem tupi-guarani: AÇU, GUAÇU e MIRIM. EX: anajá-mirim.

18. Deve-se usar o hífen para ligar duas ou mais palavras que ocasionalmente se combinam, formando não propriamente vocábulos, mas encadeamentos vocabulares. EX: eixo Rio-São Paulo.

19. Não se deve usar hífen em certas palavras que perderam a noção de composição. EX: paraquedas.

20. Para clareza gráfica, se no final da linha a partição de uma palavra ou combinação de palavras coincidir com o hífen, ele deve ser repetido na linha seguinte.

Todas essas informações foram tiradas do Michaelis – Guia Prático da Nova Ortografia – Saiba o que mudou na ortografia brasileira – Autor: Douglas Tufano – Editora Melhoramentos.

Para mais informações, clique aqui.

E lembrem-se que até 2011 serão consideradas corretas a forma que aprendemos quando éramos crianças, bem como a nova forma. Vão treinando... rs... Pois nesta altura do campeonato ter que "reaprender" a escrever não vai ser fácil! E, como eu eu disse em um post anterior, supostas correções são sempre bem-vindas.

Bjôoooooo

Um comentário:

Agrilla disse...

o povo já era ignorante antes, agora, então...