sexta-feira, 1 de maio de 2009

Pandemia de gripe suína?


Uma PANDEMIA (do grego παν = pan + δήμος = demos - todas as pessoas) é uma epidemia de doença infecciosa que se espalha em toda a população localizada em uma grande região geográfica como, por exemplo, um continente, ou mesmo o planeta.
De acordo com a Organização Mundial da Saúde, uma pandemia pode começar a partir de três condições:
• O aparecimento de uma nova doença à população.
• O agente infecta os humanos, causando doença séria.
• O agente espalha-se facilmente e sustentavelmente entre os humanos.
Uma doença ou condição, não pode ser considerada uma pandemia somente, pois é difundido ou mata um número grande de pessoas; também deve ser infeccioso. Por exemplo, o câncer é responsável por um número grande de mortes, mas não é considerado uma pandemia porque a doença não é contagiosa (embora certas causas de alguns tipos de câncer possam ser).

PANDEMIAS E EPIDEMIAS NA HISTÓRIA

Já aconteceram várias pandemias significativas na história da humanidade, como a gripe e a tuberculose. Algumas epidemias foram tão intensas que quase chegaram a aniquilar cidades inteiras:
Peste do Egito (430 a.C.) - a febre tifóide matou um quarto das tropas atenienses e um quarto da população da cidade durante a Guerra do Peloponeso. Esta doença fatal debilitou o domínio de Atenas, mas a virulência completa da doença preveniu sua expansão para outras regiões, já que a doença exterminou seus hospedeiros a uma taxa mais rápida que a velocidade de transmissão. A causa exata da peste era por muitos anos desconhecida; em janeiro de 2006, investigadores da Universidade de Atenas analisaram dentes recuperados de uma sepultura coletiva debaixo da cidade e confirmaram a presença de bactérias responsáveis pela febre tifóide.
Praga de Antonine (165–180) - possivelmente causada pela varíola trazida próximo ao Leste, matou um quarto dos infectados. Cinco milhões no total. Na plenitude de uma segunda pandemia (251–266) 5.000 pessoas chegaram a ser mortas por dia em Roma.
Peste de Justiniano (541-x) - a primeira contaminação registrada de peste bubônica. Começou no Egito e chegou à Constantinopla na primavera seguinte, enquanto matava (de acordo com o cronista bizantino Procopius) 10.000 pessoas por dia, atingindo 40% dos habitantes da cidade. Foi eliminada até um quarto da população do oriente médio.
Peste Negra (1300) - oitocentos anos depois do último aparecimento, a peste bubônica tinha voltado à Europa. Começando a contaminação na Ásia, a doença chegou à Europa mediterrânea e ocidental em 1348 (possivelmente de comerciantes fugindo de italianos lutando na Criméia), e matou vinte milhões de europeus em seis anos, um quarto da população total e até metade nas áreas urbanas menos afetadas.

E o que dizer da gripe suína de 2009 que tem deixado a população mundial preocupada?

GRIPE SUÍNA é o nome dado a uma doença causada pelo vírus H1N1, uma combinação das cepas dos vírus aviário e humano. A contaminação se dá do porco contaminado ou objetos contaminados para o humano. Em meio a um surto da doença, o governo mexicano anunciou 150 mortes até o dia 29/04/09 causadas pelo H1N1, o que levou a Organização Mundial da Saúde a declarar que a doença tem grandes chances de se tornar uma pandemia. No dia 30 de Abril de 2009 a OMS aumentou o nível pandêmico da gripe AH1N1 para fase 5. O nome Gripe Suína foi alterado para Gripe A, pois o nome poderia afetar todo o comércio suíno.
Nesta segunda-feira, os 27 integrantes da Organização Mundial da Saúde OMS se reuniram para discutir sobre as providências de combate à gripe suína. Há uma preocupação que a doença vire epidemia mundial se ações emergenciais de contenção não sejam iniciadas logo. O México aparece como principal pólo da doença, que já faz pacientes nos Estados Unidos e no Canadá.
O infectologista do Hospital Bandeirantes Guilherme Furtado comenta que o cuidado emergencial para impedir a doença de se espalhar pelo mundo procede e a OMS está tendo uma atitude correta em discutir rapidamente sobre as ações de contenção do vírus.
"Os sintomas da gripe suína são realmente parecidos com a gripe comum (pelo vírus Influenza), só que a mortalidade é maior. Isto pode confundir as pessoas que pensam estar com um resfriadinho bobo e demoram mais para procurar o médico. O diagnóstico desta doença é principalmente clínico. O estudo do vírus só é feito em laboratórios de referência", afirma o médico.
A gripe suína também tem sintomas muito parecidos com os da dengue, problema endêmico no Brasil. A exceção fica por conta da queixa de dores nos olhos, comum entre as pessoas picadas pelo mosquito Aedes aegypt.

TRANSMISSÃO
A gripe suína não é transmitida pelo consumo de carne de porco. A doença recebeu este apelido porque o vírus causador, normalmente, afeta os suínos (e não os seres humanos). Espirrar, tossir e ter contato com objetos de uso pessoal de pessoas com a suspeita da doença pode levar ao contágio. Ao sinal de qualquer suspeita, o melhor é procurar ajuda médica. Antibióticos e outros remédios consumidos sem prescrição médica podem agravar ainda mais o quadro.

SINTOMAS
Febre alta (mais de 39ºC);
Tosse;
Dor de cabeça forte e constante;
Dores pelo corpo (nos músculos e nas articulações);
Congestão nasal.

Espero ter esclarecido algumas coisas sobre esse assunto, tão presente em todas as mídias.

Bjôooooo e muita saúde a todos!

Fonte: Site Minha Vida e Wikipedia.

2 comentários:

Cíntia disse...

TA PREOCUPANTE MESMO.
BJUS

Antonio B Duarte Jr disse...

Olá. O Vírus está aí. Não há como detê-lo. É como o vírus da gripe mesmo. Todas as pessoas são expostas ao vírus da gripe comum. Assim também, todas as pessoas serão expostas ao vírus da gripe suína. Não há como deter o vírus. Ele está livre, circulando por todo o planeta. A diferença entre esse vírus e o da gripe comum é que apenas um infinitésima parte da população morre de gripe comum, e esta gripe suína, segundo as estatísticas (que muitas vezes são manipuladas para não espalhar o caos), mata 1 em cada 10 pessoas. Vale lembrar que em 1918 e 1919 tínhamos o vírus Influenza que matou 50 milhões de pessoas no mundo. Mais do que 4 anos de guerra. E a taxa de mortalidade era 1 morte para cada 36 pessoas contaminadas. Agora, com 1 morte em cada 10, podemos fazer as contas e ver que o estrago vai ser grande. Não há como escapar. É uma questão de tempo, e todas as pessoas serão esxpostas ao vírus. Acontece que na grande loteria fúnebre, 9 em cada 10 pessoas vão sobreviver... Serão "apenas" 900 milhões de mortes no mundo... Os outros 8 bilhões e 100 milhões de pessoas devem sobreviver. Se você tem 50 parentes próximos e o vírus e seus parentes respeitarem as estatísticas apenas 5 vão morrer, mas você não sabe quem, e um deles pode ser você inclusive. É melhor começar a procurar a Salvação Divina, pois é a única certeza de vida em abundância...

Veja que se você escapar desse vírus ainda terá que escapar do cancêr e doenças coronárias que são a maior causa de morte. Globalmente, estima-se que 12,4 milhões de pessoas receberão o diagnóstico de algum tipo de câncer neste ano, e que 7,6 milhões de pessoas vão morrer, segundo relatório da Agência Internacional de Pesquisas sobre o Câncer, da Organização Mundial da Saúde. Destacam-se entre as causas de morte da população mundial também as complicações resultantes da obesidade (como o diabetes) e os transtornos mentais provocados pela depressão (como o estresse e a síndrome do pânico). Em conjunto, essas doenças respondem por quase 91% das mortes no mundo. Realmente, só Deus SALVA !!!